Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

© o escrivão

histórias em capítulos diários de segunda a sexta-feira.

© o escrivão

histórias em capítulos diários de segunda a sexta-feira.

30.04.21

Rita Windsor em 1963 © Luca Salvatore

(capítulo #14)

amaram-se como se estivessem a regressar a casa. sem pressa, num reconhecimento mútuo. com uma alegria de alma para alma. partilharam o prazer em simultâneo, olharam-se nos olhos e disseram em uníssono: amo-te; adormecendo abraçados. acordaram duas horas mais tarde, com fome. a Madre estranhara não os ver ao serão, deixou-lhes o jantar no forno para não arrefecer, e subiu para o quarto, pronta para uma noitada de leitura. estava embrenhada no livro biográfico sobre a vida de Katja e Andrey desde a noite anterior. era a prova final e Rita pedira-lhe para ser a copywriter. a mãe tinha feito uma primeira leitura em busca de incoerências históricas e agora queria fazer uma segunda leitura para rectificar erros gramaticais. quando Rita e Luca entraram sorrateiramente na cozinha encontraram o bilhete da Madre a indicar-lhes o forno como o lugar do tesouro. regressaram ao ginásio com um pequeno banquete que os deliciou.

(continua)

29.04.21

Rita Windsor em 1963 © Luca Salvatore

(capítulo #13)

perguntaram a Rita se queria saber qual seria o seu anel naquele momento, ou quando Luca a pedisse formalmente em casamento. a jovem disse que preferia a surpresa para mais tarde. nem ela imaginava que o tarde ia chegar bastante mais cedo do que previa. quando chegaram a casa, Rita e Luca deram um beijo à mãe e desceram a correr para o ginásio, para descomprimir. o casamento era um segredo de ambos e, de repente, todos queriam ansiosamente celebrá-lo. e eles não queriam aquela sumptuosidade. estavam assustados. Rita corria na passadeira como se quisesse fugir de toda a pompa. Luca esmurrava o saco de pugilista como se o quisesse castigar pela sua grande boca, que tinha revelado o segredo que ele e Rita tanto acalentavam. de repente pararam. o corpo pulsava como se continuasse em movimento, olharam um para o outro e entenderam de imediato. aproximaram-se e beijaram-se carinhosamente. Luca parou: tens a certeza? tenho, sorriu Rita. tens os preservativos? tenho.

(continua)

28.04.21

Rita Windsor em 1963 © Luca Salvatore

(capítulo #12)

querida Rita, disse a rainha, no final do almoço quero que escolhas o teu anel entre as minhas jóias. a jovem abriu a boca mas ficou sem saber o que dizer. a Madre acudiu-a: é muito amável querida prima. terminada a refeição lá foram as três ver as jóias, enquanto Luca e o princípe Filipe voltavam à conversa sobre as ilhas gregas que estão divididas em seis arquipélagos principais, cada um com as suas próprias paisagens e histórias, muitas que o consorte da rainha desconhecia. Rita abria os olhos de espanto, nunca tivera uma jóia e, como tal, deixou que a escolha ficasse a cargo da rainha e da mãe. estas divertiam-se a partilhar histórias das jóias de família. a Madre também as tinha, mas nada tão sumptuoso. perguntaram a Rita se queria saber qual seria o seu anel naquele momento, ou quando Luca a pedisse formalmente em casamento. a jovem disse que preferia a surpresa para mais tarde. nem ela imaginava que o tarde ia chegar bastante mais cedo do que previa.

(continua)

27.04.21

Rita Windsor em 1963 © Luca Salvatore

(capítulo #11)

Luca perguntou: é como um dote? sim! sorriu a rainha. então agradeço mas prefiro recebê-lo quando eu e a Rita casarmos. a rainha e o consorte Real ganharam-lhe respeito. Rita sorria com os olhos marejados. a Madre engasgou-se com a sobremesa e teve de beber um copo de água de um trago. a rainha estava radiante de alegria. o princípe Filipe perguntou: e já têm data? Luca e Rita responderam em uníssono: quando terminarmos a Universidade, decidimos. sensatos estes meus primos! exclamou a rainha com um olhar divertido. mas vão ter de me avisar com antecedência que eu quero reunir a família toda no palácio. Rita e Luca olharam um para o outro um pouco aflitos, mas acederam. fariam o casamento escocês com a Madre, em Buckingham com a família Real e em Sifnos com a família de Luca. sorriram um ao outro. o verdadeiro casamento aconteceria com alguns amigos e um notário, muito antes de o celebrarem para agradar a todos. querida Rita, disse a rainha, no final do almoço quero que escolhas o teu anel entre as minhas jóias. 

(continua)

ADENDA: estou a ponderar fazer uma pausa a seguir ao Phil & Penny e ao Luca Salvatore, para deixar toda a gente respirar pois reconheço o esforço que têm feito para acompanhar tudo. já escrevo há quase três meses, sem parar.

26.04.21

Rita Windsor em 1963 © Luca Salvatore

(capítulo #10)

a rainha recebeu-os aos três como família e explicou que os tinha estado a observar e ficara impressionada com a rara sincronia que existia entre os três. Luca pôde beijar a rainha. Rita e a mãe disseram que estavam para além de gratas e não sabiam como retribuir. a rainha disse-lhes para não serem patetas. o almoço teve um cariz divertido e pedagógico. o princípe Filipe da Grécia conhecia menos ilhas que Luca que há muitos anos integrava escavações arqueológicas por todos os arquipélagos. a rainha estava encantada com a genuinidade do jovem e com o entusiasmo com que saciava a curiosidade do consorte Real. parecem dois putos! sussurrou a rainha às primas e as três tiveram de conter o riso. mas a alegria dos dois era contagiante e elas optaram por simplesmente testemunhar a lição de História que Luca proporcionou ao princípe Filipe sem nunca o fazer sentir desactualizado. de repente o princípe disse para a rainha: temos de nomear Luca duque de Sifnos! a monarca exclamou: boa ideia! o jovem engasgou-se e corou até às orelhas. Luca perguntou: é como um dote? sim! sorriu a rainha. então agradeço mas prefiro recebê-lo quando eu e a Rita casarmos.

(continua)

Pág. 1/7

mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

tu és tão livro!

arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

wook vais ler a seguir?

Toshikazu Kawaguchi Henry David Thoreau